Uma última canção

O Bagageiro, esse lindo projeto, está se despedindo da interwebs. Não chore, pois, como aprendemos aqui, o mundo é grande demais e dá muitas voltas. Quem sabe um dia não nos encontramos de novo? Enfim, como o blog está se despedindo e deixando centenas de milhares de fãs órfãos (segundo o instituto BagaFolha, hehe), no nosso último Pra Ouvir, nós vamos te mostrar algumas das grandes vozes brasileiras que nos deixaram no ano que passou. É triste saber que tantos artistas, cujas obras marcaram gerações, partiram, e alguns de mortes prematuras. Mas o post de hoje não é pra tristeza, e sim pra relembrar o que foi bom, como o nosso querido O Bagageiro. 🙂

Chorão

O vocalista e co-fundador do Charlie Brown Jr. faleceu em 6 de março. Conhecido pelas letras que falavam quase sempre de praia, skate e a vida nas ruas, o Charlie Brown Jr. marcou a geração do final dos anos 90 e início dos 2000.

banda-charlie-brown-jr-3

Charlie Brown Jr. em 2002. Champignon (o primeiro, à esquerda) também faleceu em 2013

Curiosidade: o primeiro CD comprado por esse mochileiro que vos fala foi do Charlie Brown Jr. Era o Imunidade Musicalde 2005. Eu tinha uns 11 anos e Charlie Brown era rock pesado pra mim. Uma das minhas motivações pra comprá-lo foi que eu curti muito a banda depois de assistir o Acústico MTV (que até hoje é um dos melhores acústicos, mesmo não tocando em tudo quanto é barzinho como o do Kid Abelha) e porque a faixa Lutar Pelo que é Meu era o novo tema de abertura de Malhação, hehe. Quem lembra?

Ah, e a abertura antiga também tinha uma música deles. Essa sim é pra machucar nos sentimentos de uma década atrás (sdds Dona Vilma).

Ogromóveis à parte, eu deixei de gostar da banda com o tempo, ou pelo menos parei de acompanhar, mas ainda assim reconheço a importância deles pro rock nacional. Afinal de contas, eles ganharam diversos prêmios, entre eles o Grammy Latino de Melhor Álbum de Rock em 2005 e 2010, e até hoje, tem uma legião de fãs fiéis, mesmo após anos do fim da banda.

Dominguinhos

dominguinhos-site1

José Domingos de Morais nasceu em 12 de fevereiro de 1941, em Garanhuns, Pernambuco. e morreu em São Paulo, no dia 23 de julho de 2013. Domiguinhos era um sanfoneiro espetacular, e isso tem a ver com o fato de seu mestre ter sido (apenas) Luiz Gonzaga. Ele morreu de complicações em decorrência de um câncer de pulmão, mas deixou uma linda obra pros fãs. Em 2002, foi vencedor do Grammy Latino com o disco Chegando de Mansinho. Já em 2012, venceu na categoria Melhor Álbum de Raiz Brasileiro, com o CD e DVD Iluminado.

Que tal ver uma apresentação rara do Dominguinhos com seu mestre?

Reginaldo Rossi

Na minha opinião, nossa maior perda esse ano. Reginaldão era o maior romântico incompreendido desse país, até porque, fazer músicas só com a temática de corno mostra como ele era um homem apaixonado. E foi com essas letras chifrudas que o cara deixou sua marca na música brega do país. Reginaldo Rossi era um pernambucano que nasceu e morreu em Recife. Conhecido (merecidamente) como o Rei do Brega, não se sabe ao certo o que fez com que ele se diferenciasse dos outros cantores do gênero e alcançasse tamanho sucesso. Em 1964, ele se aventura na carreira musical imitando Roberto Carlos, e já em 1966 lança seu primeiro LP, “O Pão” (ah, esses títulos…). Reginaldo era puro rock no começo da carreira, pois ainda na escola, ele era fanzão de Ray Charles e Elvis Presley.

Reginaldo-Rossi

Essas influências do bom e velho rock dos anos 50 e 60, após algumas adaptações, ajudaram ele a se estabelecer como o Rei do Brega. Segundo Reginaldo, o que ele fez foi só dizer as coisas de um jeito que as pessoas tinham vergonha de dizer, mas ainda assim sentiam.

Por que Elvis pode falar ‘você é uma cachorra doida, chorando a noite toda’? E Waldick Soriano não pode dizer ‘Eu não sou cachorro, não'”?

Em 1987, ele lançou o seu maior sucesso. Alguém tem dúvidas de que tô falando de Garçom?

Diz aí se teu avô não ouve essa música até hoje? Diz aí se não toca naquele boteco na esquina dia sim, dia também? Sim, Garçom é o hino do corno, e nem fala de traição! Mas mesmo após esses quase 30 anos da música, o sucesso ainda deixa claro como Reginaldo Rossi dificilmente será esquecido.

Esse foi o último Pra Ouvir do Bagageiro. Foi um prazer enorme mesmo estar aqui com vocês durante esses meses. Eu aprendi muito, muito mesmo. O mundo parece um lugar menor depois de conhecer tantas diferenças que nos tornam tão parecidos. Depois de todas essas aventuras, Pra Terminar, eu só posso dizer: Obrigado!

Bye_bye_bye

Anúncios

Qual tua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s